Secretaria de Cultura do Estado da Bahia

Área de identificação

Identificador

Forma autorizada do nome

Secretaria de Cultura do Estado da Bahia

Forma(s) paralela(s) de nome

  • SecultBA

Outra(s) forma(s) do nome

Tipo

Área de contato

Tipo

Endereço

Endereço

Palácio Rio Branco, Praça Thomé de Souza, s/n – Centro

Localidade

Salvador

Região

Bahia - BA

Nome do país

Brasil

Código Postal

40.020-010

Telefone

Fax

Email

Nota

área de descrição

história

A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) tem como missão formular e implementar, de forma articulada com a sociedade, políticas públicas que expressem a centralidade da cultura na transformação e no desenvolvimento social e valorizem a diversidade cultural da Bahia, nas suas dimensões simbólica, econômica e de cidadania, levando em consideração as particularidades dos 27 territórios culturais do Estado.

A SecultBA entende a cultura como toda a produção simbólica de um povo. Para a elaboração de suas políticas públicas, leva em consideração seis diretrizes: a construção de uma cultura cidadã, o aprofundamento da territorialização da cultura, o fortalecimento da institucionalidade cultural, o crescimento da economia da cultura, a ampliação do diálogo intercultural e o alargamento das transversalidades da cultura.

A Secretaria coordena a política cultural do Estado, que tem, entre seus principais objetivos, valorizar e promover a diversidade artística e cultural da Bahia; promover os meios para garantir o acesso de todo cidadão aos bens e serviços artísticos e culturais; registrar e compartilhar a memória cultural da Bahia e valorizar e promover a cultura da paz e do respeito às diferenças étnicas, de gênero e de orientação sexual; entre outros previstos na Lei Orgânica da Cultura.

Compete, ainda, à SecultBA, reconhecer e garantir saberes, conhecimentos e expressões tradicionais e os direitos de seus detentores; promover o intercâmbio das expressões culturais da Bahia regional, nacional e internacionalmente; proteger, valorizar e promover o patrimônio material, imaterial, histórico, artístico, arqueológico, natural, documental e bibliográfico e manter um sistema diversificado e abrangente de fomento e financiamento da cultura, coerente com as especificidades dos diferentes segmentos e atividades.

contexto cultural e geográfico

Mandatos/Fontes de autoridade

O ato de criação da Secretaria de Cultura, quando foi separada do Turismo – em 28 de dezembro de 2006, através da Lei Nº 10.549 – representou uma mudança significativa sobre a forma de conceber e gerir a cultura na Bahia. Foi introduzido, nesse período, o conceito da tridimensionalidade da cultura - que leva em consideração suas dimensões simbólica, cidadã e econômica. Uma evolução desse conceito foi colocar a dimensão cidadã no centro da política cultural, com ênfase na ampliação do acesso da população aos bens e meios de produção da cultura.

Em 15 de julho de 1987, o então governador Waldir Pires criou pela primeira vez uma secretaria específica para gerir a cultura no Estado. O novo órgão foi instituído com a Lei 4.697. A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia tinha a proposta de “preservar a memória e a tradição do Estado, fomentar as ações culturais dos segmentos da sociedade e fornecer condições para o livre desenvolvimento das ações culturais”. O surgimento deste órgão visava proporcionar autonomia ao segmento da cultura, antes veiculado à função educação, além de abrir um canal mais direto de entendimento com o recém-criado Ministério da Cultura – MinC. Através da Lei 5.121/89, reguladora da reforma administrativa no Estado, o governador Nilo Coelho reformulou a Secretaria Estadual de Cultura, extinguindo alguns órgãos e criando outros, modificando, inclusive, o nome da Fundação Cultural do Estado para Fundação das Artes.

Em maio de 1991, a Secretaria de Cultura foi extinta pela reforma administrativa durante o governo Antonio Carlos Magalhães, através da Lei nº 6.074 de 22 de maio de 1991. No plano federal, o presidente Fernando Collor também desativou o Ministério da Cultura. Na Bahia, os antigos órgãos e atribuições da Secretaria foram incorporados pela Secretaria de Educação que passa a se chamar, de 1991 a 1994, Secretaria de Educação e Cultura. A Fundação das Artes volta a chamar-se Fundação Cultural do Estado da Bahia.

A Secretaria da Cultura e Turismo foi criada em 1995, pela Lei nº 6.812 de 18 de dezembro, com a finalidade de “executar a política governamental destinada a apoiar a cultura, preservar a memória e o patrimônio cultural do Estado e promover o desenvolvimento do turismo e do lazer”. Embora a gestão conjunta das políticas governamentais de cultura e de turismo tenha gerado alguns ganhos, a submissão da cultura à lógica do turismo levou ao estreitamento da concepção de cultura e à subseqüente atuação limitada do Governo do Estado neste campo. A cultura baiana passou a ser baseada nos estoques culturais do Recôncavo e os investimentos concentraram-se na capital.

A eleição de um governo popular na Bahia trouxe uma mudança significativa sobre a forma de conceber e gerir a cultura na Bahia. Entendida como toda criação simbólica do ser humano, a cultura passa a ser um valor em si e, por conseqüência, demandou a criação de uma secretaria específica para a área. Então, por solicitação do governador eleito Jaques Wagner e da equipe de transição de governo, a Secretaria de Cultura foi separada do Turismo, de 28 de dezembro de 2006. A SecultBA teve como secretários o diretor teatral, cenógrafo e figurinista Márcio Meirelles (2007 – 2010) e o pós-doutor em Políticas Culturais pela Universidade de Buenos Aires e Universidade San Martin e professor titular da Universidade Federal da Bahia, Albino Rubim (2011 – 2014), o educador, poeta e compositor Jorge Portugal (2015 – 2017). Desde outubro de 2017, a pasta está sob a direção da atriz e educadora, Arany Santana.

Políticas de gestão e entrada de documentos

Prédios

Acervos documentais

Instrumentos de pesquisa, guias e publicações

área de acesso

horário de funcionamento

Das 8h30 às 17h30.

Condição de acesso e uso

Acessibilidade

área de serviços

serviços de pesquisa

serviços de reprodução

Áreas públicas

Área de controle

Identificador da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Estatuto

Nível de detalhe

Datas de criação, revisão ou eliminação

Línguas e escritas

  • português do Brasil

Script(s)

Notas de manutenção

Pontos de acesso

Pontos de acesso

  • Área de transferência

Contacto principal

Palácio Rio Branco, Praça Thomé de Souza, s/n – Centro
Salvador, Bahia - BA
BR 40.020-010